quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

o barulho daquele homem deglutindo...
é terrível.

mas me faz salivar
desconcertante


comendo o dia todo
o tempo passando rápido
dá pra perceber
(e salivar)
como uvas passas na farofa
pequenas bolinhas de doce
no meio da areia

perceber que se torna o que se detesta.

5 comentários:

  1. hahaha
    isso não é em homenagem a ele!

    ResponderExcluir
  2. sim! farofa, peru e Roberto Carlos pra vc, sempre!!

    ResponderExcluir
  3. Marcos,
    Que i-nove... e re-nove... 2009!!!
    Bom ano para ti.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. nos intervalos do sono
    – ao leve abrir dos olhos –
    avistava
    aquela ilha de luz
    aquele corpo – pedaço de terra

    (terra à vista!)

    epiderme do desejo
    branco do sonho
    suspiros do repouso profundo




    o meu mergulho era o sono
    (águas gélidas e escuras)
    e o meu breve respirar era ver ali aquele corpo entregue ao acaso

    como flor esquecida ao relento que só espera ser apanhada

    ResponderExcluir

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil