quinta-feira, 1 de outubro de 2015

não meta o dedo aí
eu sei
você pode se machucar
eu não falei
pode deixar sangrar
agora que a pele tocou
contaminou
a tudo que toca sou
transmito
transparece
não meta bedelho
todo mundo me marcou errado
você pode me machucar
eu não falei.
pode deixar sangrar
agora que a pele abriu
perfurou
a tudo que corta
sangrou
sanou
não perca fedelho
você pode desobedecer
agora que falei
eu não sei
vou por
tudo sangrar
nessa armadilha
armei
transpiro
transcende
agora que arrepiou
não meta o dedo
onde pode sangrar
agora que você
tudo tocou
pode deixar
afundar pele carne
sangue salgar
costurar
não perca o fio
coelho
coeso
agora que eu sei
agora observei
deixou tocar
soou
suou
sombrio
lume onde fluiu
a trama rompida
não se perca
não se meta
sabe onde pescar
naufragar
mar sem ventilador
costuma observar
agora não se perca
não vá
amei
aspiro
ascende
não meta o dedo
sem trepar gatilho
deslizar
gotejar
perdura
funda rachadura

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil