sexta-feira, 18 de setembro de 2015

peixe

eu me arrisco em frases perigosas
na beira desse abismo danço até aprender a voar
as possibilidades de tudo dar errado todas
cansei de tanto ver
eu isca você fisga
a lama desse barranco toca a água faz margem

a velocidade com que tudo dá errado
fui capaz de tudo afogar
menos voltas que eu
eu me largo em goles ansiosos
de todas as tramas já provei errado
queria ver você todo dia
- eu sou peixes
- eu sou peixes
banhei sua pele
macia água envolvia
eu vou ser franco e gosto mesmo disso
até aprender a respirar
por fora nesse ar
em largos golpes de
e mesmo assim te teci
já sei mais
miséria do absurdo
eu me entrego e danço explodir de ridículo
cansei dessa cena
fui capaz de tudo tocar
o mais fundo fluido até o final
e você nada

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil