sábado, 17 de janeiro de 2015

gosto de quem deixa as janelas abertas
ondula com a música no ar
gosto das janelas abertas
a quem fogem as palavras
tantas palavras
porque gosto de deixar
as janelas abertas
a casa aberta
cheia de vida

a palavra franca
tranquilamente entendível
gosto de quem deixa palavras
como a breve brisa que atravessa a casa
gosto das ondulações da cortina
a luz que atravessa
pequenos orifícios
e deixa na casa calor longo
tranquilamente saio da sala
tantos lugares
as janelas abertas
assim porvir

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil