terça-feira, 13 de janeiro de 2015

e sigo me privando do depois
o mote mascado grudado feito
coisa que signifique ou dance
depois não quero existir
estendo o tempo de não poder
pra não caber

me sigo sabendo do depois
o foco mascarado dado feio
coisa que dance e signifique
depois peço não existir
enquanto o tempo de doer
pra não morrer

sigo esse ofício como música
o tempo do tempo do tempo
coisa compasso
depois quero girar
entendo essa dança
o círculo na ponta do grafite
pra não perder

o ponto de apoio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil