sábado, 13 de setembro de 2014

a planta reguei tarde demais e você já me perdeu
passei ao seu lado
via o rosto longe
contava as luzes
frigia

ali naquele espaço repleto de palavras e plantas mortas
fiquei ao passar
via tantas faces
convidava as chamas
urgia

foi que peguei esse fio pelo rabo
de palavras e palavras e palavras
que desciam sem dar cabo
misturadas nas fezes
dessas vidas
tão longe
fugia

foi o que eu pensei
ainda fico aqui a amenizar
pouca água no solo seco sem
vida senti que era fim
foi o que eu aqui
via tantas luzes
ardia o foco
do passar
alucinei
de palavra em palavra
pelo fio enrolado nem tecido
que sem dar cabo
misturadas nas vezes
fezes e o que sobra do lixo na rua
onde pisar escorrega e fede
pouca água no beco na esquina
foi o que pensei misturado nesse recado
ainda fico aqui sem pensar
da palavra a palavra até a planta

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil