segunda-feira, 8 de agosto de 2011

no meio do sonho como turbilhão
tudo parecia distante
estranhos faunos que ritualizavam ébrios à madrugada
a música a noite
tudo parecia se afastar a cada toque
a cada pulso
como o agora se afasta lentamente no tempo
tanta confusão suspensa como poeira no ar

parecia tão bom a cada olhar
de repente tudo se partiu
eu era andarilho em solo seco
a queimar lágrimas na manhã vazia
tudo estava tão longe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil