quinta-feira, 15 de outubro de 2015

o silêncio é o fim de tudo
e sua indiferença
esse esperar resposta
dói como a pele marca
raspa no chão
o enfim interminado da sua frase
inconcluso abandono então

já não tenho vontade de
venceu o debate
pode escolher

ou fechar o sim pra tudo
ausência nessa sina
soltambígua reescrita
esse remoer de remorso
deixa eu ser um troço
recente mensagem
renova o dito-portanto-escrito
do absurdo intermitente

já deu pra ver
vou só esperar
a esvanecer

já deu pra saber
fecha assim
ficam as coisas assim
ressignificam

já desesperar
não sei
não quis
já despedaçar
é a fome sem a vontade de comer
rumina bile à boca seca
dor amarga aperta como soco
cansei de girar
nada tenho a ceder
e nem sei

e nem por isso
as coisas ditas ficam reais
pode escrever
com poucos toques
linha do tempo
está tudo escrito
com seus próprios traços

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil