domingo, 30 de março de 2014

corro cego afogo busco uma solução pro que já não tem
tropeço corro caio levo uma busca pro consumo do momento que lá em vem
desço trocentos degraus diante do que não tem fundo sorrio e depois choro só
é o passo que tem no caminhar mambembe de não ter muitas responsabilidades
mas vagabund soy jo y quem me ensina a nadar são os peixinhos
que se pintam delicados nessa porcelana que não sei como foi feita

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil