terça-feira, 28 de janeiro de 2014

o cheiro de sexo,
a carne molhada dentro,
o toque,
o traço-toque num gesto sem palavras,
tanto-tempo desejo, se vai, vai mesmo com preguiça,

a urgência não é o enjôo o sono o soluço, hesita
desejo dança persegue não escuta te-quero-mais
com carícia, o cheiro do sono, a carne morna, sem nada
sou nada, escuta mas se desaperta
com seu olhar
no passo, sem foco
escrito na carne viva no corte
o cheiro do sexo,
num sono molhado,
te desejo meu desejo num traço num toque num desenho
tanto-traço prevejo, se liga, mesmo que não queira assim
o que quer não existe, não hesita, o cheiro do toque
num raro momento
seu desenho seu desejo
o pé seu passo percorre corre te vivo no corte
o cheiro do suporte
te passo, no corpo não erra minha mão
escrevo a urgência de palavras coloridas
nesses dias quase sempre tristes
no escritório, na carne fria, no corte

o cheiro da fome,
o sono do sono,
a carne moída dentro,
já num traço-corte sem arranho,
tanto-tempo perdido, que não se acha mais

Um comentário:

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil