quarta-feira, 14 de março de 2012

acordei coberto pela cortina, aflito e desamparado hoje
ontem e antes: no lugar de amizade, ditos
território árido que tentei cruzar com esperança
mas é tão difícil só estar, acompanhar
cada encontro e ia se somando, iam derramando
todo o peso do mundo em minhas costas

todas as vozes que disseram meu sofrimento e destruição
serem merecidos
algumas em que eu esperava alguma canção apenas
devem comemorar agora perplexas
que o perdão se compra com sofrimento e humilhação
assim como qualquer calma

hoje levantei cansado e desesperado
como se dormisse um choro
como se a noite se escondesse nos meus olhos


  doce, como se a vida fosse doce,
  breve como tempo fosse
  fácil tendo tudo grátis
  ¡confio na bondade humana!


enquanto só querem meu bem
, desde que possam enfiar sua moral em mim
e sugam o resto de minha sanidade me exigindo paciência
com tanta decência
e toda a caridade, que me oferecem como migalha
tanta hostilidade só deve estar estampada nos meus dentes
ou pregada com durex nas minhas costas

- vozes retardadas, proclamais vaias desfiguradas numa covarde rotina?
sou caixa de pandora ao revés


sou deixa sem fim
sempre prestes
a postos
na iminência de ser

4 comentários:

  1. ‎"sou caixa de pandora ao revés" ... sentimento tristes em palavras bonitas.

    ResponderExcluir
  2. e o coração que aperta ao te ler.
    como a gente mata saudade?

    bjs

    ResponderExcluir

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil