domingo, 28 de agosto de 2011

Andarilho entre serpentes
passo ao fim de mim
num andar firme e descomprometido
até que o solo seco se quebre
sob a superfície e engula
os meus pedaços caídos deixados.
As serpentes mágicas enfeitiçadas
estáticas se erguem a um palmo do chão
e riem sem veneno.
Andarilho que só leio siglas.

6 comentários:

  1. "fogem meus beijos pelo ar
    pelo ar
    de meus lábios extáticos"

    irene

    ResponderExcluir
  2. pirei nesse!

    muito bom o "andarilho que só leio siglas"

    ResponderExcluir
  3. são os danos que aumentam com o passar dos anos.
    aqui é também minha inspiração.

    beijos

    ResponderExcluir

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil