terça-feira, 7 de setembro de 2010

pensa dois três minutos e não sai mais
do pensamento
brotam frases indecentes
paro por aqui

as persianas enroscam
a lâmpada queima
os cartazes descolam
o vento não pede licença
para se por no meio
escuro mentira:
tudo muito claro não paro

te lanço no quente da minha pele
no ardor de tanta noite envolve
na minha roupa que não me contem
nos palavrões que te chamo safada
que te grito rouco em gemido másculo
que te faço calo com meu dedo na sua gengiva
nos seus dedos que me desenham
nos seus peitos palma da minha mão
cabelos da nuca
unha na cintura saliva muita
na sua boca que te falo

8 comentários:

  1. (...)
    que me calo
    morde a língua
    grita dor prazer sem fim
    suor escorre o sexo
    que chora e gargalhada

    p.s.:Não sabia o que comentar.

    ResponderExcluir
  2. grande arthur, é desse tipo de conversa que a gente sobrevive. fiquei muito grato e admirado com essa interferência construtiva na poesia que eu propus aqui. felizmente tenho visto mais coisas desse jeito no cárdeo (vejam os comentários nos últimos textos), e isso demonstra a característica essencial dessa ferramenta-web: interação. a política do "puxar" o conteúdo e não o "empurrar". sejam bem-vindos todos os tipos de continuação e ramificação por aqui! a poesia não termina nem se limita no espaço de um papel, ou de uma página.

    ResponderExcluir
  3. obrigado!

    bons rabiscos os teus,
    lembrei-me um texto do veríssimo, chamado, dar não é amar.

    abraços (+_+).

    ResponderExcluir

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil