domingo, 1 de novembro de 2009

esse silêncio

esse meu silêncio não foi nunca indiferença e você sabe
que para mim tão prolixo ficar distante é uma tortura
que te esperar e mesmo todo esse tempo só eu que fui contra mim
e que te esperando(,) vivi, cretinamente
e que mesmo só eu fui para você
que quando te procurei foi por não aguentar
(e esqueci intencionalmente decisões-previsões-intenções-princípios
para depois amargar pecados contra mim, de tédio, de desespero)


e você sofre tanto
mas para você
nada é tão importante
e sempre: foi tarde demais


e nessas horas eu nunca penso no mal que você me faz
nas suas despedidas em mim despedaçado
na sua humilhante responsabilidade
é a sua voz que me rasga a boca
e que me brilha os olhos
eu me destruo de novo, consumo
o seu suor me pinga na língua de desejo

e mesmo quando eu for lembrar
você será sempre essa história mal resolvida na minha vida

e eu nunca terei te decifrado, nem nos momentos de entrega mais plena
e eu serei sempre cretino e medíodre, nunca o eu lírico das músicas que ouço
saberei que quando estava mal era culpa minha
e quando bem é porque eu não estou mais

e que assim eu tento fugir
eu não estou mais em mim
e transformando essas frases no meu estandarte
esse meu estandarte de palavras sujas e amargas,

13 comentários:

  1. "ela vai voltar, vai chegar
    e se demorar i wait for u
    ela vem e ninguém mais bela"

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Belo... simples assim...
    (porque comentários simples dizem mais que mil palavras-literalmente)

    ResponderExcluir
  4. Pinga na Língua de Desejo é um bom nome pra banda, hein? Tipo Sol na Garganta do Futuro...

    ResponderExcluir
  5. Poderia ser uma carta dilacerante, lida e guardada com tristeza, ou uma música que se repetiria constantemente nas rádios, cantada sem fervor, mas não, é um poema sincero, que é lido com sinceridade e lembrado por muitos eus, poéticos ou não.

    ResponderExcluir
  6. "...esse silêncio todo me atordoa atordoado eu permaneço atento..."

    ResponderExcluir
  7. eduardo, na verdade o lugar desse texto é ambíguo. poderia ser tudo isso que você falou, e é.
    só está aqui por uma espécie de tentativa de dessacralizar essa intensa sensação de que ele trata.
    é uma investida frustrada para uma (im)possível indiferença com essa situação.
    queria te dizer que foi resultado de um desenvolvimento no meu processo criativo, mas não foi. foi vômito. isso é vômito, isso sim.

    ResponderExcluir
  8. sabe quando bate um vento e vem tudo de repente?
    a situação é a mesma, sempre e o que vem de novo são só as palavras.
    acho que é isso.
    beijos

    ResponderExcluir
  9. sempre fico aliviada depois de vomitar

    ResponderExcluir
  10. "é a sua voz que me rasga a boca
    e que me brilha os olhos
    eu me destruo de novo, consumo
    o seu suor me pinga na língua de desejo"

    Perfeito!
    Que delicadeza, Marcos.
    O vômito mais sincero que já li.

    ResponderExcluir
  11. seu texto me levou a catarse como se fosse meu.

    ResponderExcluir

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil