domingo, 28 de outubro de 2007

o alienado

eu faço tudo depois de agora
todas as idéias e idas adio
já tudo mesmo começa tardio
enrolo volto faço minha hora

tudo é febril morto demais lá fora
o tudo é todo insano meio sadio
por que ir embora se remedio
sempre ou quando tudo muito demora

como nunca gosto de chaves de ouro
pego prego loucura uma peça
e mesmo nunca sei o que aconteceu

todas razões sanidades agouro
tudo que sei certamente começa
e todo esse poderio me devora eu



soneto iv

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil