sábado, 14 de março de 2015

tenho não
e todos esses isqueiros que se perdem por aí
e nem aí
em pontos costura olhar mais
falta sinto
nos portos que escorri minérios
impérios e toda água
erva e chá
tudo que me escava
essas falas
digo tudo
não me importa essa costura
ponto cruz
esse olhar vago
essa noite perdida
maldita
maluca
ma

falta dar um tchau daqui de cima
a manhã foi linda
o arco é belo
e a arquitetura
em cima

foi uma outra manhã
denso jazz muito alto muito alto
da cara dessa cidade
do prédio vertical
era último andar dançarina

tenho fósforos
riscados pela casa inteira
essas fumaças
em pontos soam bagunça por aqui

não me importa essa costa
esse mar do outro lado
não me importa
abro a porta
saio vertical
maldito
maluco
mal

falta um ar
uma coisa perdida aflita
um vômito ainda por sair
engulo minha bile
enfio dedo não importa
falta voar
melhor parar
uma hora foi
vou te levar




Um comentário:

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil