sábado, 8 de novembro de 2014

eu gosto de ver os pelos crescem como uma árvore
eu solto pelos se amarram uns aos outros como crescem
a água escorre neles pelo meu corpo se enaltece em tê-los
escorrem meus cabelos que crescem sem eu ver
como uma árvore ramos eu não penteio
limpos eu solto balançam no movimento do ar
pelo meu corpo que passa e eu não sou árvore
de solto que sou
escorro na água
me perco no ar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil