segunda-feira, 13 de outubro de 2014

agora você nada em minhas nuvens
sou o que você quer
perdida entre tropeços
o tombo que não levo
aí você aqui
agora você nada
sou enfim um fim suave
entre rangidos e passos
nem de dentro nem tão fora
agora você afoga
até agora onde você não se acha
uma concha sem eco
sem toque nem afago
agora você peixe no meu azul



(10 de outubro de 2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil