sábado, 9 de janeiro de 2010

sem nome

a poesia se perdeu em mim

onde é que foi parar minha poesia

vou fazer uma poesia de não frases

9 comentários:

  1. neste ano haverá a grande estreia da amora de pé!

    ResponderExcluir
  2. Putz, o que mais me acontece é me sentir assim. Mas de minha parte não consigo criar em cima dessa não inspiração.

    ResponderExcluir
  3. olha que bunito esse http://osnascimentosdaspalavras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. ICEBERG

    Uma poesia ártica,
    claro, é isso que desejo.
    Uma prática pálida,
    três versos de gelo.
    Uma frase-superfície
    onde vida-frase alguma
    não seja mais possível.
    Frase, não. Nenhuma.
    Uma lira nula,
    reduzida ao puro mínimo,
    um piscar do espírito,
    a única coisa única.
    Mas falo. E, ao falar, provoco
    nuvens de equívocos
    (ou enxame de monólogos?)
    Sim, inverno, estamos vivos.

    P. Leminski

    ResponderExcluir
  5. nossa, que poema foda esse do leminski!!!
    que belo presente! foi uma das melhores respostas que já recebi!
    pena que não sei nem a quem agradecer...

    ResponderExcluir
  6. pois é! não sabemos quem é esse anônimo, mas pelo jeito elx é muito legal! leminski é fodaaaaaaaaa!
    tô cada vez mais apaixonada por ele!

    ResponderExcluir

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil