terça-feira, 1 de julho de 2008

mesma sombra ou o poema fora de fase

nas ruas da cidade
onde andam as pessoas
e seus olhos de vidro
com medo da própria sombra

nas noites de saudade
em que dormem seus travesseiros
que sonham seus sonhos aterradores.

e dançam, riem comem
suas vidas fora de fase
desperdiçando o momento, lembrando do passado
não passam não passam
a percepção atrasada
o ciclo fora de fase
o ciclo vicioso fora de fase
desperdiçando o momento, lembrando o passado


as celebrações dos gestos
escondidos de sutis
nas ruas da cidade
onde andam as pessoas
e seus olhos de vidro
com medo da própria sombra

4 comentários:

  1. perfeitoo!
    eu quero ummm... eu compro, eu vô buscar... eu queroo!!!

    ahhh eu tow indo... já de férias, mas na verdade nao poso parar com meu trabalho de conclusão...
    nem posso viajar, trabalhando...

    saudadesss!

    ResponderExcluir
  2. "escondidos de sutis"
    ai! saudadona...

    grandona!

    ResponderExcluir
  3. O Medo: esta instituição que é base primordial para a longevidade de tantas outras instituições bem fortes no nosso tempo. O cristianismo, por exemplo.

    Primeiro de Julho é sempre um dia muito especial, inda mais num ano como este, que foi infinito.

    ResponderExcluir

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil