domingo, 21 de outubro de 2007

forte
poesia comum
ninguém vê
tudo é pra ser lido assim rápido?
como o fim
como o meio
que nada importa
que nem sentido
afim
seu fim tá meio atrasado
seu fim tá meio atrasado
seu fim tá meio atrasado
seu fim tá meio atrasado
seu fim tá meio atrasado
seu fim nem começou ainda
vou voltar a ser
o que nem comecei
agora longe do meio
calmo
arreio
praga
volta a ser poema comum
de quem passa agourando

4 comentários:

  1. (segunda tentativa)
    obrigada por sua visita.
    volterei aqui, outra vez, para ler com calma.
    bom final de domingo.

    ResponderExcluir
  2. rápido, violentoo...
    lendo do meio pro fimm.
    muito bommm

    ResponderExcluir
  3. parceru....c tah d+ viu!!!
    muita coisa boa nessa cabeça!!!
    queru c igual a vc quandu cresce hehehe
    abraçaum!

    ResponderExcluir
  4. poesia comum
    ninguém vê
    tudo é pra ser lido assim rápido?

    gostei.
    mas o traduzo tudo em bonito continua em primer lugar.

    ResponderExcluir

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil