segunda-feira, 13 de agosto de 2007

domingo de noite no ponto de ônibus

o menino não parava quieto! nunca vi tanta energia
e aquele frio

me dava na cabeça que eu um dia também fiquei empolgado com coisas como ver os ônibus passando e olhar a placa e descobrir quais já tinham passado
isso simplesmente deixava o menino inquieto
- esse já passou... esse já... o 1207 não passou ainda não!
pulando e falando alto, com a vó, que numa paciência admirável se continha a apenas não achar interessante a atividade do menino
e tinha aquele sorriso de quem pensava coisas como as que eu pensava ao ver a cena
um sorriso igualmente contido, de passado e de vida
e o menino animadíssimo que quando chegasse a hora de dormir
dormiria igual uma pedra
mas agora ele tirava a blusa dando pra velha segurar
e pulava mais
gestos de super herói


óculos ou binóculos de mão
olhando pra mim
com aquela cara de interesse
nessas coisas que ficam normais
normal mal mal mal

confesso que fiz um óculos de mão também
embora não precisasse
meu óculos de metal e plástico já rende brincadeiras demais


tá ele olhando pra mim
daquele jeito
do jeito que é um monte de jeitos
e aquele frio e aquele menino sem blusa!




- você tá vindo do hare krishna?
- o que?
custando pra entender
só faltava essa, eu tenho cara de nando reis?
- eu tava na reunião do hare krishna!

- ah é? eu tô voltando de viajem. olha só esse malão aqui...
eu na maior calma do mundo, tentando ensinar o pirralho a ser observador
e sem o tédio cotidiano de começar a semana esperando

- pra onde você tá indo?
- pra pampulha! tô indo pra casa. eu moro perto do aeroporto
- ...
- sabe onde é? já foi lá?
- nãaaao...
aquele não longo de criança que tá em uma posição inquieta e desconfortável e displiscente
- ...
- pra mim você tava na reunião do hare krishna!...
- não... eu tava viajando
- de avião?
- não
- de ônibus?
- não... eu vim de carona, de carro. agora eu vou pegar ônibus
- e depois você vai de avião?
e depois de algum tempo tentando (talvez em vão) explicar aquela complicação toda que era morar perto do aeroporto, viajar de carro e depois pegar ônibus
- eu já fui num aeroporto!
- hum é chique né?...
desistindo de tentar explicar o menino que eu moro pertinho do aeroporto e nunca fui em um aeroporto
na verdade, nem eu mesmo entendo isso
você já viajou de avião?
- nãaaao... eu fui pegar um amigo meu!

o ônibus chega e ele se despede de mim com aquele toque de mão que depois dá um soco de leve

- falô
- falô!








dentro do 1207 eu vejo fora dele um reencontro
num ponto do centro
traduzido em um abraço forte apertado

5 comentários:

  1. hehehe adorei o post..vc tava na sua cidade??
    agora..o 1207 eh um inferno andante..heheheh
    bjo

    ResponderExcluir
  2. eu tava na amazonas, perto do corpo de bombeiros

    tava voltando de itaúna e meu tio me deixou lá pra eu pegar o 1207 pra pampulha

    ResponderExcluir
  3. mas oque seria da gnt sem o 1207 não?


    =)

    ResponderExcluir
  4. é um texto tão...... sei lá...... rubem braga...... e isso pra mim quer dizer bom! muito bom mesmo!

    ResponderExcluir

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil