sexta-feira, 28 de maio de 2010

doisbigo

(para nicolas behr, lê quem quer)

minha poesia é luana, no meio do
mundo no meio do dia
minha poesia não é minha, não é
de ninguém
minha poesia e a do behr, e a do berne
minha poesia lava as mãos, mas
não tem sabonete
minha poesia vezes 2π [rad/s]
minha poesia sente que sempre é
observada dos prédios vizinhos
minha poesia é só um susto porque
minha poesia não continua
no papel

8 comentários:

  1. sua poesia sente certo. os prédios vizinhos só fazem te observar.



    * eu amo essa (sua) poesia!

    ResponderExcluir
  2. como "só um susto"?
    um susto é muita coisa!
    gosto de vc! e de tudo que vem junto...

    ResponderExcluir
  3. fica um questionamento: seria sua essa poesia?

    a lorrena sempre faz uns comentário tão abstratos que tenho que ficar relendo até cansar.

    ResponderExcluir
  4. o livro "umbigo" do behr tem 84 páginas e todos os versos começam com "minha poesia"

    "doisbigo" vem da dedicatória que ele me escreveu nesse livro.

    ResponderExcluir
  5. zocrato, essa não é minha poesia, é uma paródia. minha poesia não é minha, não é de ninguém. (?)

    ResponderExcluir
  6. Pesia é sua, não é de ninguém
    é de todo mundo, absolutamente nada
    e tudo - DE você.


    Beijos,

    Lidia M.

    ResponderExcluir
  7. é nossa.
    aproveita as minhas aí.
    e boa noite de poesia sensual!

    :*

    ResponderExcluir

lave

metâmero




poesias inéditas semanalmente
outros conteúdos e indicações relacionadas diariamente em facebook.com/encardido

Creative Commons License
cárdeo [e todo o conteúdo, exceto quando citado de outrx autorx] de marcos assis está licenciado por creative commons atribuição-uso não-comercial-compartilhamento pela mesma licença 2.5 brasil